Bom, demorou mas saiu… (desculpem, realmente estava completamente sem tempo para fazer um post mais complexo! rsrs)

Como já informei em outro post, no feriado de 7 de Setembro, (e 8 de setembro para nós capixabas) Eu e a Gabi’s partimos para Paraty no Rio de Janeiro. Não conhecíamos a cidade, mas já estivemos bem próximo em Ilha Grande (fantástico tb.) e conhece-la tornou-se um desejo.

Acordamos no dia 04/09 (sábado) bem cedo, ou seja, por volta das 05:30hs e partimos para a estrada por volta das 06:30hs. Acho que foi a primeira vez na história que conseguimos sair no horário marcado. rsrsrs! Joguei as coordenadas da pousada na Magda – GPS (e o porque do nome explico depois), arrumamos o carro e partimos.

A estrada estava horrível, com muitas obras e reparos, asfalto descascado e alguns acidentes (infelizmente). Com isso perdemos boas horas na estrada, até mesmo parado por minutos em obras que tomavam uma das pistas. (e da-lhe privatização da BR-101).

Lá pela metade do caminho, a Gabi’s me pediu para dirigir um pouco na estrada. O menina invocada que adora se intrometer onde não é chamada – uhauhauhauah – (Adoro dirigir, já viajei com meu velho – pai – por quase 24hs sem parar, estar na estrada, se torna um prazer. Não sei se isso tem alguma relação com minha paixão por motos e viagens, mas acredito que sim. E assim sempre que tenho que passar o volante para alguém, fico meio enciumado).



Depois de mais de 10hs, isso mesmo DEZ HORAS de estrada para rodar +- 770 km, chegamos a Paraty de tardinha. E essas 10 horas como disse não se deram somente pela péssima condição da estrada, infelizmente tenho que admitir! uhauahuhaa

O espertalhão aqui e sua grande mania de achar que conhece tudo na palma da mão, não quis “ouvir” a Magda – GPS (foi a partir desse momento que passamos a chamar o GPS de Magda, pois ao subir na ponte, ele simplesmente enlouqueceu achando que estávamos nas vias por debaixo dela e o tempo todo soltava com sua esbelta voz: “Faça o retorno assim que possível!” Repetia isso irritantemente, até a hora que a Gabi’s soltou um: “Cala boca MAGDAAAA” bem alto e eu não aguentei de tanto rir. Pronto, o nome pegou e a todo momento que o GPS enlouquecia, era um Cala boca Magda da gente. uhauahuha) e resolveu ignorar umas das instruções antes de entrar na Ponte Rio Niterói. Bom simplesmente ao chegar na descida acabei me confundindo todo (mesmo conhecendo muito bem o Rio) e peguei uma saida errada. Completamente perdidos, demoramos alguns minutos até voltarmos a rota.

Bom, após os percalços acima, chegamos a Rio – Santos e esta estrada é simplesmente fantástica. A vista é maravilhosaaaa. Nessa hora a Gabis já dormia de tão cansada e acabei curtindo a maioria do visual sozinho.




Chegamos ao trevo de Paraty e logo avistamos o Portal da cidade. Sei que ele tem alguma história, mas não me recordo agora. Rs. Depois dou uma pesquisada e edito aqui!


Anúncios